quinta-feira, 28 de setembro de 2017




“Narciso e Goldmund “
Herman Hesse



Herman Hesse é um dos meus autores favoritos!
Viveu entre 1877 e 1962 na Alemanha, foi poeta, romancista e pintor, nas suas obras explora a natureza humana, as relações humanas, o sentido da nossa existência e o nosso lugar no mundo. 
Em 1946 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura.

Narciso e Goldmund foi o meu primeiro livro de Herman Hesse, oferecido por alguém muito especial. A narrativa fala-nos de Narciso, professor em Mariabronn, um convento da Alemanha, e Goldmund o seu discípulo favorito. Enquanto um Narciso se dedica a oração e meditação, Goldmund decide sair do convento e explorar a vida e o amor.
Durante a narrativa, e como é habitual neste autor, é desenvolvido o tema da busca de conhecimento interior, da natureza humana, das relações, da vida, da morte e da conciliação de opostos.
Além dos temas, e da forma maravilhosa de descrever, o que eu gosto neste autor é a maneira como prefere fazer perguntas e desenvolver temas, em vez de dar respostas levando-nos a pensar criticamente e deixando espaço para as nossas próprias conclusões. 




















Deixo este extrato como amostra:


“Lene morreu na noite seguinte, sem um queixume. Tudo se resumiu a um breve estertor, depois deixou de respirar e um sopro percorreu-lhe a pele; ao ver chegado o momento, Goldmund sentiu dilacerar-se-lhe o coração e recordou os peixes moribundos, que tantas vezes vira no mercado e de que tanto se condoera; era assim também que eles morriam, com um arquejo e um leve e doloroso estremecimento que lhes percorria a pele e lhes roubava o brilho e a vida.”


Hesse, Herman, “Narciso e Goldmund “, Pag. 248.




sexta-feira, 11 de novembro de 2016

A Enzima Prodigiosa

Uma nova vida, sem doenças
Dr. Hiroxima Shinya


O autor, Dr. Hiroma Shinya, é um médico de nacionalidade japonesa a exercer medicina no Japão e nos Estados Unidos da América. Dirige a Unidade de Endoscopia Cirúrgica do Centro Médico Beth Israel em Nova Iorque, é professor de Cirurgia Clínica na Faculdade de Medicina Albert Einstein e é conhecido pelos seus desenvolvimentos no campo da cirurgia colonoscópica, tendo realizado a primeira cirurgia ao colón sem incisão abdominal. Também é escritor do livro “A enzima Prodigiosa (Uma nova vida, sem doenças)” de que vou falar hoje.
A teoria que apresentada neste livro diz-nos que o corpo esta desenhado para se curar a si próprio e que qualquer pessoa, independentemente da sua predisposição genética, pode ajudar o seu corpo a evitar vários tipos de doenças. Estuda o corpo como um sistema complexo em que todos os sistemas estão interligados e por essa razão devem ser estudados em conjunto.
O ponto essencial do livro é alertar para o facto de que não apresentar sintomas de doenças não significa que se esteja saudável, que a alimentação e o estilo de vida estão fortemente relacionados com a nossa saúde e que um sistema gastro intestinal limpo é essencial para que o corpo tenha capacidade de combater as doenças mais variadas. 


Aconselho este livro para todas as pessoas que, como eu se interessam por saber mais sobre o nosso corpo, a maneira como funciona e de que forma podemos fazer algo para nos manter saudável num mundo cheio de fatores que não controlamos.



segunda-feira, 20 de junho de 2016


Gelado Crudívoro



Finalmente uns dias de sol e calor!!
Com este tempo começa a apetecer um geladinho.
Em alternativa aos gelados comerciais cheios de açúcar, corantes, conservantes e muitas vezes leite é possível fazer em casa um gelado crudívoro, com ingredientes naturais, sem aditivos, versátil e super fácil de fazer (como eu gosto).

Ingredientes:

- 3 bananas congeladas
- Uma taça de frutos vermelhos 
* Também funciona com bananas frescas e frutos vermelhos congelados, mas não fica tão cremoso. Outra opção é trocar os frutos vermelhos por algumas colheres de Cacau em pó ou outra fruta ao gosto de cada um.

Preparação:
Juntas as bananas cortadas as fatias e os frutos vermelhos numa picadora ou liquidificador ate obter uma consistência cremosa e uniforme de gelado.




Os mais gulosos podem adicionar umas pepitas de chocolate





quinta-feira, 16 de junho de 2016


Bolinhas energéticas ou Trufas crudívoras

- Raw, Livre de açúcar, Livre de Glúten

Esta é umas das receitas mais praticas para levar e petiscar fora de casa.
São pequenas, mas uma grande fonte de energia e gordura boa. Também há quem lhes chame trufas crudívoras pois assemelham-se na aparência e por vezes no sabor a trufas de chocolate embora a consciência seja mais mole. Também podem ser uma excelente sobremesa, uma companhia para o café ou um doce para alegrar um dia cinzento.
Eu faço estas bolinhas muitas vezes e nunca repito a receita, mas vou tentar dar uma ideia de como se podem fazer.
Ingredientes:
- Uma farinha (Cacau, Alfarroba, Aveia, Amêndoa);
- Um elemento aglutinador (Tâmaras, Figos secos, Pêssegos secos, Bagas Gogi, Uvas passas, Nozes, Manteiga vegetal como Amendoim, Avelã, Sésamo);
- Sementes variadas/frutos secos (Linhaça, Chia, Sésamo, Girassol, Avelas, Amendoim);
- Cobertura opcional (Coco ralado, Cacau em pó, Spirulina em pó, Clorela em pó).

Preparação:
Juntar a farinha escolhida, o elemento aglutinador e as sementes a escolha num triturador e triturar ate obter uma massa pastosa. Se o triturador não for dos mais fortes, pode-se triturar por partes e juntar os ingredientes todos depois.
Colocar esta massa num recipiente e ir fazendo bolinhas com as mãos, as bolinhas podem ser servidas assim ou podem ser passadas por uma das coberturas.


quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

O Manual da Garota Cacheada

Método Curly Girl (Lorraine Massey)



Apesar de este método poder ter vantagens para todos os tipos de cabelo, é especialmente indicado para cabelos encaracolados que precisam de um cuidado específico.
A cabeleireira Lorraine Massey, autora do livro “Manual da garota cacheada” desenvolveu depois de muito trabalho com cabelos encaracolados de todo o mundo, um método de cuidar dos caracóis que consiste em:
- evitar os componentes mencionados acima;
- não usar calor (secador, babyliss, … );
- secar o cabelo com uma toalha de microfibra, ou uma t-shirt usada;
- usar os dedos para desembaraçar o cabelo, diminuindo o cabelo partido;
- usar fronhas de cetim, que não absorvem a hidratação do cabelo e diminuem o frizz).


No livro existe ainda um conjunto de dicas específicas para cada tipo de caracol, receitas caseiras, dicas de corte, cabelos infantis, o cabelo pós quimioterapia e testemunhos de mulheres que decidiram deixara de obedecer ao padrão de beleza do cabelo liso, ainda forte nos dias de hoje.























Para mais Informações consultar:

O Manual da Garota cacheada, Lorraine Masey



quarta-feira, 20 de janeiro de 2016


Pasta Dentífrica – Couto

Vegan e Nacional


A pasta dentífrica Couto foi registada pela primeira vez em de junho de 1932 na Cidade do Porto. Inicialmente chamava-se pasta medicinal Couto pois era indicada para limitar o fenómeno de retração da gengiva, foi criada por Alberto Ferreira Couto, com a colaboração de um médico estomatologista.

A minha experiência com esta pasta tem sido muito positiva, uso-a à mais de um ano, sinto a boca, dentes e gengivas frescas e limpas sempre que a uso, no entanto devo avisar que se deve usar menos quantidade desta pasta em cada lavagem pois é “muito potente” o que a torna mais económica.

Esta Pasta além de não ser testada em animais nem conter ingredientes de origem animal, tem ainda outras vantagens como o facto de não ter cálcio, flúor, adoçantes artificiais e SLS1 na sua composição. Encontra-se a venda em farmácias e pequenas mercearias pelo preço aproximado de 1.85, bem mais barata que a maioria das pastas naturais.








1 - Sodium Laureth Sulfate, um agente usado em pastas, champôs e sabões por fazer espuma e ser emoliente, unir gordura e água, para que a primeira possa ser removida. Contudo existem vários estudos que apontam este componente como cancerígeno, a DECO diz que o seu uso prolongado com pode, provocar irritações na pele e nos olhos eu pessoalmente prefiro não arriscar, além disso preocupo-me em limpar a sujidade e não a gordura, falarei neste ultimo ponto em breve na secção de Saúde/Beleza.